Contentamento

1ª Coríntios 7.17-24

Aí está algo que, em nossos dias,se vê cada vez menos: contentamento. A cada dia que passa nos tornamos uma sociedade que está cada vez mais descontente. Percebemos alguns exemplos de descontentamento olhando para o mercado da tecnologia e automobilismo. A pessoa compra um celular hoje já pensando no modelo que vai sair, compra um carro já de olho na versão mais luxuosa e mais potente que ele comprará daqui a algum tempo.

Existe também o descontentamento com aquilo que não se pode ter ou fazer. Talvez este seja o pior, porque ele está alinhado e é alimentado por uma insatisfação muito grande.

Contentamento tem a ver com: estado de quem está contente, satisfação.

E é isso que o apóstolo Paulo vai ensinar nos versos seguintes.Entre os assuntos referentes ao casar, divorciar, reconciliar, ficar sozinho e as orientações que ele dará aos viúvos e solteiros, há esse miolo onde Paulo vai ensinar sobre viver em contentamento e ilustrar com esses quatro grupos que havia na igreja de Corinto: judeus, gentios, escravos e livres. Muito provavelmente esses grupos possuíam questões pertinentes com relação a posição que eles deveriam assumir agora que eram salvos.

Minha intenção não é ficar preso nas questões de casamento, visto que sobre isso já falamos amplamente, mas sim fazer aplicações gerais em nossas vidas, onde ao invés de termos contentamento vivemos descontentes.

Para isso quero fazer três afirmações sobre porque é preciso ter contentamento.

1. Algumas situações são irrevogáveis. V. 17-19.

Paulo, no verso 17, mostra a ideia central dessa mensagem, de onde tiro o título.

Precisamos viver satisfeitos porque Deus decidiu que viveríamos assim, Ele nos chama para onde Ele quer e nos separa da maneira que Ele quer e algumas situações não podem ser mudadas ou a sua mudança será extremamente dolosa e difícil.

Algumas pessoas no meio da igreja questionavam se era preciso ser circuncidado agora que eram cristãos, isso talvez acontecia por causa da influência de alguns judeus que existiam na igreja.

A circuncisão era uma prática judaica, ordenada por Deus para o povo, em que toda criança do sexo masculino que nascesse do povo de Israel deveria ser circuncidada no oitavo dia de nascimento. Isso acontecia para marcar aquela criança como sendo parte do povo de Deus e herdeiro das promessas feitas a Abraão.

Isso era tão forte em alguns lugares que Paulo,quando escreve aos Gálatas, vai repreender fortemente dizendo que, em Cristo não há mais a necessidade de circuncisão. “Porque em Cristo Jesus nem a circuncisão nem a incircuncisão valem coisa alguma; mas sim a fé que atua pelo amor.” Gálatas 5.6.

Quando, no verso 18, ele cita os que já haviam sido circuncidados, temos a impressão de que algumas pessoas realmente estavam pensando em desfazer a circuncisão. Isso havia acontecido no passado em um período de dominação grega, alguns jovens para não ser identificados como judeus tentaram reverter o processo por meio de uma cirurgia, quem nem sempre era bem-sucedida. Outra razão era para serem aceitos em meio à sociedade greco-romana da época.

E Paulo vai dizer: quando Deus te chamou, você era judeu? Contente-se com isso. Era gentio, contente-se com isso. Dentro do contexto do capítulo, se foi chamado por Deus casado, fique casado, solteiro, viúvo ou separado, fique como está econtente-se no Senhor.

Algumas situações nas nossas vidas são irrevogáveis ou de muito difícil mudança. Se a nossa satisfação estiver na situação, seremos imensamente insatisfeitos; agora, se for em Deus, Ele nos trará a satisfação necessária.

Porém, existem situações que podem ser mudadas. Por isso precisamos estar contentes no Senhor, porque...

2. Outras situações até podem ser mudadas. V. 21-22.

Esse era outro grupo que havia no meio da igreja: os escravos. Paulo vai dizer: se você foi chamado quando escravo não se preocupe, tenha contentamento nisso, não viva revoltado, mas se há a possibilidade de ser liberto, então busque a liberdade.

Esse trecho de Paulo não é uma apologia a uma vida que não busca mudanças, não é um incentivo ao conformismo.Este texto mesmo mostra isso, o que ele está dizendo aqui é: não tenha a sua alegria na condição de que você vive, mas se for possível busque melhorar a situação. Ele dá a razão no verso 22: você pode ser escravo de alguém, mas em Cristo você foi liberto, assim como alguém que foi chamado quando livre, de Cristo é servo, escravo.

Se é possível mudar e/ou melhorar nossas vidas, vamos fazer isso, mas não devemos fazer disso o nosso alvo de vida, a nossa razão de existir, porque se fizermos isso, vamos ser descontentes e insatisfeitos.

Na época, um escravo podia, se juntasse dinheiro, comprar a sua própria liberdade e então ser livre de todos os homens, mas no nosso caso a nossa dívida era muito grande, impagável para nós,  por isso Jesus nos comprou e pagou um alto preço por nós. Esta é uma das razões pelas quais o nosso contentamento deve estar em Deus.

 

3. Porque somos propriedade do Senhor. V. 23-24.

Paulo diz claramente para aqueles irmãos: vocês foram comprados por alto preço, Jesus agora é o seu Senhor. A expressão usada por Paulo era muito conhecida por aqueles irmãos, uma vez que escravos eram vendidos em praça pública. Quem oferecia o maior lance, levava e tinha, a partir de então, total direito sobre o escravo.

Cristo tem total direito sobre a nossa vida e por isso nosso contentamento deve estar nele.

Por 3 vezes nesses 8 versos ele repete um refrão: “cada um permaneça na condição em que foi chamado”. Se for possível mudar a condição, mude, mas se não for possível,busque o contentamento, a satisfação e a alegria no Senhor. E por quê? Porque Ele nos comprou.

Essa é a tônica de Filipenses:
1.19-21
19 Pois sei que isso resultará em salvação para mim, pela vossa súplica e pelo socorro do Espírito de Jesus Cristo,
20 segundo a minha intensa expectativa e esperança de que em nada serei decepcionado; pelo contrário, com toda a ousadia, tanto agora como sempre, Cristo será engrandecido no meu corpo, seja pela vida, seja pela morte.
21 Pois para mim o viver é Cristo, e o morrer é lucro.

3.1
1 Meus irmãos, quanto às outras coisas, alegrai-vos no Senhor.

4.4.10-13
4 Alegrai-vos sempre no Senhor; e digo outra vez: Alegrai-vos!
10 Alegro-me muito no Senhor por terdes finalmente renovado o vosso cuidado para comigo, do qual na verdade estáveis lembrados, mas vos faltava oportunidade.
11 Não digo isso por causa de alguma necessidade, pois já aprendi a estar satisfeito em todas as circunstâncias em que me encontre.
12 Sei passar necessidade e sei também ter muito; tenho experiência diante de qualquer circunstância e em todas as coisas, tanto na fartura como na fome; tendo muito ou enfrentando escassez.
13 Posso todas as coisas naquele que me fortalece.

Paulo possuía pleno contentamento no Senhor, mesmo preso ou passando necessidades. Como ele mesmo cita, ele ainda conseguia se alegrar, porque a sua alegria estava no Senhor.

Então:

  1. Cada um viva conforme Deus lhe chamou.

  2. Se é possível mudar as coisas, então mude.

  3. Não faça disso o seu alvo de vida.

  4. Lembre-se que o Senhor é nosso dono, Ele nos comprou.

  5. Nosso contentamento não deve estar no ter e sim no ser de Cristo Jesus, nosso Senhor.

Rodrigo Silva.

Rodrigo Silva