O Reino de Deus e Sua glória

Mensagem: A glória de Deus em cena torna tudo novo,  refletindo Sua presença e Suas virtudes.

Introdução

Na 16a. mensagem, refletimos sobre “PROMESSAS E JULGAMENTOS”, Isaías 54-59. Vimos que “Em Jesus Cristo, Senhor e Salvador, há salvação eterna para todo o que Nele crê, e condenação eterna para todo o incrédulo, para aquele que O rejeita (cf. Jo 3:36).

Isaías 59 fala do pecado e de suas consequências; da necessidade da confissão, e do abandono dos pecados; e, sobre a salvação que vem do Senhor.

Neste contexto há ênfase na Glória de Deus, Is 59:19. Nos capítulos seguintes, além da referência a glória, aparecem citações a luz, salvação, graça, misericórdia, a Pessoa do Espírito Santo, a ira de Deus etc.

A expressão “glória” aparece mais de dez vezes nos capítulos 60 a 66.

Há aqui uma visão futura, que se concretizará  na e após a segunda vinda de Jesus Cristo…

Pv 29:18a – “Onde não há revelação (profecia, visão) o povo se desvia…”. A visão, imagem clara de futuro, motiva, direciona…

Precisamos ter visão, presente e futura, da glória de Deus…

“Glória”, dar honra ou glória é dizer que alguém é merecedor de respeito, atenção e obediência. Deus deve ser honrado não só por ser o Soberano, o Criador do universo, mas também por causa do Seu amor e de Seu caráter Santo.

“Glória” está relacionada a auto-revelação de Deus, Sua santidade… Está em evidência não só a reputação de Deus, como também a realidade da Sua presença, como por exemplo, revelada em Seu Filho – Jesus Cristo, Is 4:2; Jo 1:14; 17:1-5.

A revelação de Deus e Sua presença devem causar impacto e transformação no ser humano, produzindo fé, obediência e a manifestação do Seu caráter santo…

Quando a glória de Deus entra em cena tudo se torna novo,  refletindo Sua presença e Suas virtudes.

I. O surgir de um novo dia, Is 60:1-22

Referência a um Reino futuro, que ocorrerá na segunda vinda de Jesus Cristo… A glória futura de Israel, como nação de Deus… Redenção vem do Senhor, Is 60:1-3,14-16,18-22.

Será um “dia” (um tempo)  de salvação e louvor, Is 60:18.

A luz não virá do sol, mas da presença do próprio Deus, Is 60:19-21.

Deus fará isso, cumprirá, no Seu devido tempo, Is 60:22.

Aplicação: Para Israel há a esperança de um novo dia… Para nós discípulos de Jesus Cristo, Igreja – comunidade do povo de Deus há, também a esperança de um novo dia, um novo tempo, na eternidade com Deus, a “nova Jerusalém” – Ap 21:9-11,22-22:5.

O apóstolo Paulo afirmou que se a nossa esperança se resumir somente a este mundo,  somos mais dignos de compaixão entre todos os seres humanos, 1 Co 15:19.

Vivamos cada dia com a esperança de um novo dia, com a plena convicção de que Deus a Seu tempo cumprirá a promessa – “… Os sofrimentos do presente não se podem comparar com a glória que será revelada em nós. Pois a criação aguarda ansiosamente a revelação dos filhos de Deus”, Rm 8:18,19.

No presente devemos ser motivados e direcionados por esta visão divina…  1 Co 15:19; Rm 8:18,19.

II. O começo de uma nova vida e um novo nome, Is 61:1-3; 62:1,2

Is 61:1-3 – Em Lucas 4:16-21, Jesus aplica a Si mesmo o texto de Is 61:1-3.

O pano de fundo desta passagem é o “Ano do Jubileu”- a terra era cultivada durante seis anos, e descansava no sétimo ano. Nesse ano de descanso, o que produzisse por si mesma era para os pobres, e o restante para os animais. No quinquagésimo ano havia um jubileu ( sete sabáticos, quarenta e nove anos) – as propriedades voltavam aos seus donos originais, as dívidas eram perdoadas, os que haviam se tornado escravos por causa da dívida tinham suas dívidas perdoadas e declarados livres… Ocasião de ação de graças, lembrando-se que nada possuíam por direito – tudo era dádiva de Deus… Era tempo de gratidão, de generosidade…

Justiça em foco – relacionamento com Deus, estilo de vida segundo o caráter e os ensinos divinos, e o relacionamento com o próximo…

“… A fim de que se chamem carvalho de justiça, plantação do Senhor, para que ele seja glorificado”, 61:3; “Pois eu, o Senhor, amo o juízo, odeio o roubo e toda injustiça…”, 61:6; “… Deus me vestiu de vestes de salvação, cobriu-me com o manto de justiça…”, 61:10; “Porque o Senhor Deus fará brotar a justiça e o louvor diante de todas as nações…”, 61:11.

“… Vós sereis chamados sacerdotes do Senhor, e vos chamarão ministros de Deus. Comereis as riquezas das nações…”, Is 61:6.

“… Todos os que os virem haverão de reconhecê-los como descendência bendita do Senhor”, Is 61:9.

Novo nome, Israel, quando reconciliada com Deus…; Is 62:1,2,11,12.

Novo nome mostra uma nova condição…

Aplicação: Esta visão deve nos motivar e direcionar:

  • Em relação a nós mesmos…
  • Em relação aos outros…

Deus, por meio de Cristo, e no poder do Seu Espírito faz em nós, assim como na vida de outras pessoas, a obra completa da salvação – justificação, santificação e glorificação, Rm 8:29,30; 3:21-26; Fp 1:6; 2 Co 3:18; 1 Jo 3:1-3;

Em Cristo, “Ano de Jubileu”, ano aceitável, somos livres da escravidão e condenação do pecado, a dívida foi paga (cf. Cl 2:13-15)… Há no Espírito Santo uma nova vida em santificação, liberdade, alegria, paz e justiça, rumo a sermos mais e mais como Jesus Cristo.

Em Cristo, também somos  “nova criação”, 2 Co 5:17; “… plantados pelo Senhor, para a Sua glória” Ef 1:11-12; somos “… sacerdotes do Senhor… ministros de nosso Deus”, 1 Pe 2:9,10; vivendo na esperança da obra da salvação que um dia se cumprirá plenamente – quando “seremos glorificados” (Rm 8:29,30; 1 Jo 3:1-3).

1 Jo 3:3, “todo aquele que tem esta esperança  (ser semelhante a Cristo, cf. v. 2) purifica-se a si mesmo, assim como ele é puro”.

Enquanto este dia de glória não chega, no Espírito Santo vivamos cada dia a nova vida refletindo a presença de Deus e Suas virtudes. Vida de justiça –  ética (conformados com o caráter e os valores do Reino de Deus) e social (relacionamentos humanos justos).

1 Jo 3:3, “todo aquele que tem esta esperança   (ser semelhante a Cristo, cf. v. 2) purifica-se a si mesmo, assim como ele é puro”. Vivamos de tal maneira que possamos ser conhecidos e chamados como “povo santo, remidos do Senhor…”,  Is 61:6, 9 (cf. 1 Pe 2:9,10).

Ilustração – Alexandre, O Grande, para um dos seus soldados: “Mude o seu nome, ou mude sua conduta…”.

III. O anúncio de uma nova vitória, Is 63:1-64:12

Jesus Cristo na 1a. vinda inaugurou o “Ano Aceitável”, Is 61:2.

Na 2a. vinda trará o “Dia da vingança”, Is 63:4; 61:2.

Is 63:1-6, o “Dia do Senhor” – clímax a Batalha de Armagedon, Ap 19:11-21, e a vitória de Jesus Cristo sobre o Diabo e seus aliados (Jesus triunfou e trinfará sobre todos os inimigos do Senhor, liderados pelo Diabo).

IV. O anúncio de uma nova criação, Is 65:1-25

Por que Deus parece estar em silencio diante das calamidades?, Is 64:12.

Deus responde: “… Não me calarei…”, Is 65:6.

Ele anuncia a salvação para os gentios, Is 65:1; Rm 10:19,20; Lc 14:16-24; 21:10; At 28:23-31.

Depois Deus descreve os pecados do Seu povo, pecados que impedem as respostas às orações, Is 65:2-7.

Um dos pecados era a idolatria – culto aos deuses, envolvia ocultismo e demônios… Deus fala do juízo divino contra os pecados, Is 65:8-16.

Em Is 65:11-16, Deus vê dois tipos de pessoas:

  1. Os que se apartam Dele, Is 65:11;
  2. Os servos do Senhor, Is 65:13.

E, Ele fala em novos céus e nova terra, Is 65:17ss cf. Ap 21:1ss.

Então, haverá santidade, harmonia e felicidade… Ele responderá as orações (Is 65:24)… Haverá paz…

V. O nascimento de uma nova nação, Is 66:1-24

Este texto, mais uma vez, fala do retorno dos judeus à terra… Quando Deus santificar o Seu povo, preparando-os para a segunda vinda de Jesus Cristo.

Politicamente, Israel nasceu em 14 de Maio de 1948, como  a  nação que conhecemos…

O “novo Israel” surgirá quando crerem em Jesus Cristo…

Então, experimentarão a alegria, paz e satisfação, Is 66:10-14;

Deus será honrado no coração humilde, Is 66:2.

Religião, ritos etc. não são suficientes – precisamos serví-lo de acordo com a Sua palavra, Is 8:20, para viver-se de modo agradável a Ele.

Conclusão

O livro termina com uma mensagem de condenação para os rebeldes, Is 66:24.

Durante todo o livro de Isaías, ouvimos do profeta de Deus: “Confie no Senhor e viva, ou se rebele contra o Senhor e morra”.

Isaías expõe a graça e a misericórdia de Deus, o Seu perdão, para todo o que se arrepende do seu pecado e crê em Jesus Cristo como único e suficiente Salvador…

Mas, também expõe a loucura da confiança na sabedoria humana, e nos recursos de um mundo sem Deus.

“Não há paz para o perverso”, para todo aquele que é alienada, indiferente e ou rebelde contra Deus, Is 48:22; 57:21.

Para haver paz é necessário justiça, e não há justiça aparte de Deus Pai e de Jesus Cristo, Is 32:17; Rm 3:19-31.

O profeta conclama o ser humano para a realidade espiritual – Deus requer fé, obediência, um coração humilde que se deleita Nele, e um viver que O glorifica.

  • “Dispõe-te”, Is 55:6; 1:18; Ef 5:14-18
  • “Resplandece”, Is 60:1; 61:6; 66:1,2;  Ef 5:8-10

A glória de Deus em cena torna tudo novo,  refletindo Sua presença e Suas virtudes.

 

IsaíasNova Aliança