Consequências

Dia após dia, somos advertidos dos riscos de inúmeras coisas.

Essas advertências acontecem de diversas maneiras.

Elas existem por uma simples razão: quando não observadas, podem trazer consequências indesejáveis para quem não se atenta a elas, e por vezes a outros.

Por exemplo, estão por todos os cantos a advertência: “se beber não dirija”. Mas infelizmente o número de pessoas que não dão ouvidos a essa advertência é exponencialmente maior do que as que dão.

Isso pode trazer consequências gravíssimas e até irreversíveis, desde multas pesadíssimas com apreensão da CNH e do próprio motorista, até um acidente com vítimas fatais.

O apóstolo Paulo está a 4 capítulos e 87 versículos advertindo os irmãos de Coríntios sobre qual deveria ser a postura dele com relação a nova vida que eles estavam vivendo em Cristo Jesus.

Ao chegar no final do capítulo 4 ele vai dar algumas das consequências que eles sofreriam caso não atendessem às advertências.

É sempre bom lembrar que, em meio a esse tom ríspido de Paulo, ele não perde de foco quem ele era e quem aqueles irmãos eram para ele, ou seja, filhos amados. (4.14-15). Paulo oferece um modelo para eles e envia Timóteo para lembrar e demonstrar esse modelo. (4.16-17).

Mas,às vezes, nem todos os recursos são suficientes para livrar alguns das consequências de não se atentar para as advertências. Por isso é preciso ficar atento para não acontecer o que fomos advertidos que aconteceria.

1. Acontecer o que fomos advertidos. V.18.

Aqueles irmãos estavam sendo alertado sobre o perigo que corriam em se tornarem pessoas orgulhosas, arrogantes, soberbas e prepotentes, mas alguns não deram ouvidos, pelo contrário desprezaram a orientação apostólica.

  • Se alguém for se gloriar, glorie-se no Senhor 1.31.
  • A mensagem de Paulo não era baseada na sabedoria humana, mas sim no poder do Espírito Santo de Deus. 2.3-5.
  • O crescimento da igreja se dava única e exclusivamente por causa de Deus. 3.6-9.
  • Ele é enfático em dizer que ninguém deve se gloriar em homens. 3.21.
  • Ele diz dele mesmo que era apenas escravo e mordomo do Senhor. 4.1.

Tudo isso para advertir que aqueles irmãos deveriam tomar cuidado para não se tornarem orgulhosos, porque o orgulho é irmão gêmeo da arrogância.

A palavra usada por Paulo aqui aparece apenas 7 vezes no Novo Testamento e dessas 6 é referente aos irmãos de Corinto.

A palavra φυσσιοωphusioo, tornar natural, fazer algo parte natureza, inflamar, encher, fazer crescer, inchar, tornar arrogante, estar cheio de si, comportar-se de modo orgulhoso, ser arrogante [1]

As opções de tradução vão se dar através do contexto do verso, mas pode se perceber que a palavra traz a ideia de algo que é praticado costumeiramente e se torna natural.

Paulo, ao usar essa palavra no verso 6 desse capítulo 4, faz em tom de advertência para que ninguém se orgulhe por um em detrimento de outro. Já agora no verso 18, usando a mesma palavra do verso 6,ele afirma que alguns já se tornaram arrogantes, ou seja,o orgulho, o “inflar-se” tornaram-se algo natural e cotidiano para alguns que se tornaram arrogantes, chegaram ao ápice do seu erro.

Um perigo que se corre quando não ouvimos as advertências é nos tornamos aquilo que fomos advertidos a não fazer e a não ser.

Outro perigo que corremos e como consequência de não ouvirmos as advertências é o de encontrar com quem nos advertiu.

2. Encontrar com quem o advertiu. V.19-20.

Aqueles irmãos achavam que nunca mais iriam ver Paulo e por isso eles não só desprezavam as advertências de Paulo como também queriam descredibilizar o apostolado de Paulo. Isso é tão verdade que a segunda carta de Paulo aos Coríntios tem como boa parte do seu tom a defesa do ministério e apostolado de Paulo. Podemos ver isso dos capítulos 7 a 13 de segunda Coríntios.

Conforme 2Co 10:8-11: "Pois não me envergonharei, embora, de alguma forma, eu me glorie mais da autoridade que o Senhor nos concedeu para a edificação, e não para a vossa destruição. Não quero que pareça que desejo intimidar-vos por meio de cartas. Pois dizem: As cartas dele são duras e fortes, mas sua presença pessoal é fraca, e sua pregação não impõe respeito. Considere tal pessoa que o que somos em palavras por meio de cartas, estando ausentes, também seremos pelos atos, estando presentes."

A escrita de 2ª aos Coríntios foi realizada cerca de um ano depois da primeira,e muito provavelmente entre essas duas cartas Paulo esteve na igreja. Este encontro que alguns achavam que não aconteceria aconteceu bem antes do que esperavam.

Conforme 2Co 1:23-24; 2:1-2: "Invoco a Deus por minha testemunha de que foi para vos poupar que não voltei mais a Corinto. Não que tenhamos domínio sobre a vossa fé, mas somos vossos cooperadores para que tenhais alegria, pois é pela fé que estais firmados. Assim, decidi que não mais iria visitar-vos com tristeza. Porque, se vos entristeço, quem então me alegra, a não ser quem tem sido entristecido por mim?"

Pessoas quenos corrigem e advertem são pessoas que nos amam, querem o nosso bem e a nossa alegria, pessoas assim buscam estar por perto e mais cedo o mais tarde vamos estar diante delas.

Isso então nos leva para o terceiro e último risco de não atentar para as advertências: receber a disciplina.

3. Receber a disciplina. V. 21.

Paulo dá duas alternativas para aqueles irmãos, uma conversa branda e em paz ou uma conversa mais dura. Ele mostra inclusive um padrão de disciplina: primeiro ele orienta, para depois cobrar. Muitas vezes presumimos que as pessoas sabem o que é o certo é as vezes não sabem, Paulo vai escrever uma carta para orientar e depois, se caso a orientação não fosse seguida, aí haveria uma disciplina mais severa.

Como já vimos, para alguns a orientação não adiantou e essa conversa severa aconteceu.

A expressão usada por Paulo para falar da vara traz a ideia de uma vara que servia para disciplinar, era uma vara que pessoas que faziam grandes viagens usavam para se apoiar, mas também era a vara que pastores usavam para cuidar do rebanho. É lógico que Paulo não ia disciplinar fisicamente aqueles irmãos, mas a conversa seria tão dura que a impressão que eles teriam é que levaram uma surra de Paulo.

O que podemos aprender com isso então? 

Deus através da sua Palavra tem advertido a todos nós dia após dia sobre inúmeras coisas.

Jesus viveu demonstrando qual era a vontade de Deus para nós.

Então quero dar 3 exemplos de advertências, mandamentos, orientações de Deus para nós e ver se estamos seguindo ao que Jesus nos mandou.

  • Mt 22:37-39: "Jesus lhe respondeu: Amarás o Senhor teu Deus de todo o coração, de toda a alma e de todo o entendimento. Este é o maior e o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo." Estamos amando a Deus e ao nosso próximo?  Se estamos amando a Deus, vamos obedecer aos mandamentos dele.
  • At 1:8: "Mas recebereis poder quando o Espírito Santo descer sobre vós; e sereis minhas testemunhas, tanto em Jerusalém como em toda a Judeia e Samaria, e até os confins da terra." Estamos cumprindo aquilo que Jesus disse sobre sermos testemunhas? Se estamos, vamos cumprir a chamada grande comissão.
  • Mt 28:18-20: "E, aproximando-se Jesus, falou-lhes: Toda autoridade me foi concedida no céu e na terra. Portanto, ide, fazei discípulos de todas as nações, batizando-os em nome do Pai, do Filho e do Espírito Santo; ensinando-lhes a obedecer a todas as coisas que vos ordenei; e eu estou convosco todos os dias, até o final dos tempos." Estamos fazendo discípulos para Jesus? A começar por nossas casas, nossa vizinhança?

Meus irmãos, a volta do Senhor está às portas e não podemos viver como se Ele não fosse mais voltar.  E quando Ele voltar, o que diremos a Ele?

Esse é apenas um exemplo, muitos outros poderiam ser dados, mas que o Senhor nos ajude a estar atentos e a cumprir os mandamentos do nosso Senhor e não desprezar as advertências que estão na sua Palavra.

[1] Dicionário Strong

Rodrigo Silva