Lembranças que trazem certezas

1 Coríntios 15.1-11

Você já parou para pensar o motivo pelo qual fazemos comemorações? 
O que está envolvido nas datas comemorativas?
Hoje nós temos uma das datas mais significativas para os cristãos. A Páscoa. 
O comércio da uma ênfase muito grande no natal e acabamos entrando nesse barco e como igreja valorizamos muito mais o natal do que a páscoa. 
O natal é quando comemoramos o nascimento de Jesus, mas a páscoa é quando lembramos da sua morte e não só isso, lembramos da sua ressurreição. Isto para a fé cristã é de suma importância. 
A comemoração da páscoa é algo instituído por Deus para o povo de Israel. Êxodo 12 mostra isso.  Para eles esse período é um momento de lembrar que um dia eles foram escravos e que sofreram amargamente no Egito. Mas Deus os libertou. 
A páscoa judaica faz eles se recordarem de que em meio a morte de todos os primogênitos do Egito, o sangue do cordeiro que estava nas portas das casas, trouxe vida a todos os primogênitos do povo de Israel. 
Mas onde entramos nessa comemoração, visto que não somos o povo de Israel. 
A páscoa começa a fazer sentido em nossas vidas, quando somos lavados e redimidos pelo sangue do Cordeiro de Deus, que tira o pecado do mundo. Quando pela morte de Jesus ganhamos vida e vida abundante, vida eterna. 
A páscoa precisa ser lembrada por nós como sendo o dia, em que pelo sacrifico do Corpo de Cristo, entregue na cruz, ganhamos livre acesso ao povo de Deus. 
A Páscoa é um momento de celebrar que a morte foi vencida, na ressurreição de Jesus podemos ter a certeza de que, mesmo que a morte chegue, como Ele viveremos eternamente. 
As vezes passamos anos e mais anos sem lembrar desses fatos e por essa razão podemos começar a ter dúvidas sobre algumas coisas. Por isso quero olhar para esse texto e ver com essas lembranças, quais certezas podemos ter. 
Por que Ele vive eu posso crer no amanhã
A primeira lembrança que gostaria de trazer para nós é:

  • Lembrar o que é o evangelho. V.1-4.

Paulo escreve essa carta para fazer algumas correções na igreja de Corinto. Havia na igreja algumas pessoas que não acreditavam na ressurreição de Jesus, alguns estavam duvidando de que Cristo havia ressuscitado. 
Em certo sentido isso é até compreensível, aqueles irmãos haviam ouvido o evangelho, mas por alguma razão estavam se esquecendo do verdadeiro e puro evangelho. 
Paulo vai lembra-los que o evangelho anunciado por ele, era o que eles haviam agarrado. A forma verbal que Paulo usa traz essa ideia de uma ação realizada no passado que continuava valendo.
Por meio desse evangelho eles estavam sendo salvos, se ficassem firmes no evangelho verdadeiro, nas verdades que Paulo havia pregado a eles. Não crer na ressurreição de Jesus é crer em vão, é crer em um evangelho pela metade e por isso não salva ninguém. 
Paulo mostra no verso 3 o cerne do evangelho e da sua pregação. Cristo morreu pelos nossos pecados, morreu em nosso lugar. Assim como os cordeiros no Egito que morreram para que aquelas crianças ficassem vivas, Jesus morreu em nosso lugar para que tenhamos vida. Ele mesmo diz: eu vim para que tenham vida e vida abundante. João 10.10. O próprio Paulo ja havia dito a eles no capitulo 11.24 “isso é o meu corpo que é dado em favor de vós, façam isso em memória de mim.”
Mas o evangelho não para na morte de Cristo, ele vai além, ele foi sepultado mas ressuscitou ao terceiro dia, Ele está vivo. Outros que se auto intitulavam o messias haviam aparecido e todos também foram mortos, mas Cristo ressuscitou e estava vivo, em Lucas 24.1-6 encontramos o relato da sua ressurreição. As mulheres foram ver Jesus, procurar o seu corpo e ouvem dos homens que estavam lá: “Ele não está aqui! Ressuscitou! A morte de Jesus foi real e a sua ressurreição também. 
Corremos um sério risco de vivermos sem lembrar disso: Ele está vivo, assentado à direita do Pai. Ele é digno de toda honra, glória e louvor. Ele é o Rei dos reis o Senhor dos senhores. 
Essa primeira lembrança mas traz a certeza de que Jesus é Deus e está vivo. 
É por isso que mesmo sabendo dessa história e conhecendo essas verdades precisamos sempre lembrar delas. Precisamos lembrar também que...  

  • Lembrar que estava tudo planejado. V 3-4

Paulo não só diz que Cristo estava vivo, ele prova com as Escrituras.
Diferente do que muitos falam Cristo não morreu por um acaso,  a sua morte não foi um plano B, tudo estava planejado em um plano de amor desde o inicio, a sua morte e sua ressurreição. O fato de Paulo citar: “conforme as Escrituras”, mostra que eles podiam olhar nos escritos dos profetas e ver que desde o nascimento até a morte e ressurreição de Jesus, tudo fora planejado por Deus. Isaias 53 é um dos textos mais conhecidos, uma profecia messiânica que fala da vida, do sofrimento e da morte de Jesus. Mas também fala dos benefícios que sua morte trouxe a todos. 
O salmista Davi no Salmo 16.8-11, faz menção de que Jesus não ficaria preso no sepulcro, pelo contrario estaria a direita de Deus. 
Lembrar que a morte de Cristo estava planejada deve causar algumas reações em nós. Primeiro saber que nada foge ao controle de Deus. Segundo um sentimento de louvor e gratidão a Deus, por que Ele não poupou seu próprio Filho para morrer em nosso lugar e terceiro eterna adoração a Jesus Cristo nosso Senhor, porque  Ele sabia o que o esperava e mesmo assim não nos abandonou. 
Essa segunda lembrança me traz a certeza de que Deus me ama infinitamente mais do que eu mereço. 
Eu tenho mais uma lembrança...

  • Lembrar que essas certezas precisam ser testemunhadas. V. 5-8.

Aqui, como argumento de convencimento, Paulo cita alguns nomes importantes na história de Igreja, gente de peso, pessoas que por causa do testemunho estavam inclusive sendo presas. Ninguém quer ser preso para sustentar uma mentira.
Ele cita Pedro. O líder da igreja apostólica. 
Cita uma quantidade enorme de pessoas, das quais muitas ainda estavam vivas, ou seja, poderiam testemunhar sobre fato. 
Depois ele cita Tiago que junto com Pedro lideravam a igreja de Jerusalém. 
Cita os apóstolos como testemunhas.
E por fim cita ele próprio. 
Essas pessoas tinham algo em comum: foram e eram testemunhas de que Jesus estava vivo.
Mas qual é a diferença? Podemos ter presenciado algo e não desejarmos testemunhar. Todas essas pessoas citadas por Paulo estavam testemunhando das maravilhas do evangelho, da vida, morte e ressurreição de Jesus. 
Todos estavam testemunhando do plano redentor de Deus, do plano de amor do Pai.  Prova disso é o verso 11. Quer eu ou qualquer um desses essa é a nossa missão, essa é a nossa pregação, anunciamos em uníssono que: Jesus Cristo está vivo e voltará. Jesus está vivo e eu posso crer no amanhã. 
Esse terceiro e ultima lembrança, mas traz a certeza de que no poder do Espirito Santo é preciso testemunhar que Jesus morreu pelos nossos pecados, foi sepultado, mas ressuscitou a terceiro dia e está vivo e um dia voltará para buscar a sua igreja. 
Então lembre nessa páscoa e celebre a Deus por isso:
Lembre do evangelho que te salvou e que seu Senhor está vivo
Lembre que Ele tem tudo planejado e te ama
Lembre que outros foram testemunhas disso e hoje nós somos as testemunhas 

Rodrigo Silva