Consolem o meu povo (parte 1)

Não sabes, não ouviste que o eterno Deus, o SENHOR, o Criador dos fins da terra, nem se cansa nem se fatiga? É inescrutável o seu entendimento.

Isaías 40:28

Mensagem: Deus é grande em bondade e poder, e nos concede palavras de esperança e consolo, e promessas de livramento em meio aos conflitos e crises em geral.

(Nota: Esta mensagem será pregadas em 3 partes, 3 domingos – Hoje: Introdução, e 1a. Parte)

Introdução

O capítulo 40 começa a segunda parte do livro do profeta Isaías.

Nestes capítulos encontramos promessas de restauração da nação (40-48), promessas da vinda do Messias (49-53) e as promessas das bênçãos milenares para Israel (58-66).

O capítulo 39 termina com a profecia de Isaías, falando ao rei Ezequias sobre o exílio na Babilônia, e o capítulo 40 começa com a mensagem:

“Consolem, consolem o meu povo, diz o Deus de vocês”, seguida de promessas divinas, promessas essas que traziam esperança e encorajamento, pois Deus haveria de libertar o povo do exílio, e leva-los de volta para Jerusalém (o que aconteceu nos dias de Ciro, 44.28).

Diante de toda a expectativa do exílio babilônico (o que aconteceu nos dias da Nabucodonozor), havia um contexto de crise espiritual, moral, política, econômica e social. Algo bem parecido com os dias em que vivemos, nesta era de globalização.

Em momentos de crise, nós perdemos o “brilho nos olhos”, e temos a tendência de “olhar para baixo”, e pensar “o Senhor não se interessa pela minha situação; o meu Deus não considera a minha causa?” (Is 40.27).

O salmista indagou: “Levanto os meus olhos para os montes e pergunto: De onde me vem o socorro? O meu socorro vem do Senhor, que fez os céus e a terra” (Salmo 121.1,2).

“Ergam os olhos e olhem para as alturas. Quem criou tudo isso?” (Is 40.26).

Nos capítulos 40 em diante, o profeta Isaías traz uma mensagem de consolo descrevendo a grandeza de Deus e Sua atuação em prol do Seu povo.

Foquemos em 3 verdades divinas que trazem consolo ao nosso coração.

  1. Deus é maior que o nosso passado, 40.1-11 (mensagem de hoje);
  2. Deus é maior do que os nossos conflitos internos, 40.12-26 (mensagem de 27/03);
  3. Deus é maior que os nossos medos e desafios futuros, 40.27-31 (mensagem de 10/04).

I. Deus é maior que o nosso passado, 40.1-11 (mensagem de hoje);

Olhando para trás o povo podia ver fracasso e pecado… (cf. Is 1.3ss).

Por vezes o nosso passado nos condena? Olhamos para trás e ficamos desanimados por causa dos nossos pecados, e erros do passado.

Diante da tal realidade, para seguirmos em frente com esperança e triunfo, sem estarmos “presos” ao passado, nós precisamos ouvir “Quatro (4) vozes divinas”, cada uma delas com uma mensagem especial:

A. A voz do perdão divino (Is 40:1,2)

“… Pagou por sua iniquidade…”, Is 40:2.

“Que o ímpio abandone o seu caminho, e o homem mau, os seus pensamentos. Volte-se ele para o Senhor, que terá misericórdia dele; volte-se para o nosso Deus, pois ele dá de bom grado o seu perdão” (Is 55.7).

Se o passado nos condena, nós precisamos ouvir a voz do perdão divino, e não a voz da acusação do Diabo… Pecados passados não perdoados e ou não tratados geram: angústia (“fantasmas”), medo (ser descoberto, castigado), consciência de culpa,  esforço legalista  e religioso para tentar o favor divino, sensação de fracasso por causa de castigo divino…

Em Cristo “a iniquidade já foi expiada”, o pecado já foi perdoado, e estamos salvos da ira, salvos da condenação divina.

“Quem fará alguma acusação contra os escolhidos de Deus? É Deus quem os justifica. Quem os condenará? Foi Cristo Jesus quem morreu; e mais, que ressuscitou e está a direita de Deus, e também intercede por nós” Rm 8:34,35

1 Jo 1.9 “Se confessarmos os nossos pecados, Ele é fiel e justo para perdoar os nossos pecados e nos purificar de toda injustiça”.

“Tendo sido, pois justificados pela fé, temos paz com Deus, por nosso Senhor Jesus Cristo”, Rm 5.1.

Se necessário reconheça seu pecado e confesse a Deus… Se você já confessou e abandonou o seu pecado, então aproprie-se do perdão divino…

B. A voz da providência divina (vv. 3-5)

Deus provê não só o perdão, mas também a purificação, a restauração das vidas quebradas, dos relacionamentos quebrados etc.

O caminho de restauração,  por vezes é  muito difícil para ser trilhado. Pois pode envolver humilhação, confissão, restituição, perdas de ganhos pecaminosos (exemplo de Zaqueu)…

O povo de Israel tinha diante de si um caminho difícil… Anos mais tarde eles voltariam do exílio babilônico para reconstruir Jerusalém e o templo, e sob a liderança de Esdras haver um avivamento, uma restauração espiritual. Nesse processo não estariam sozinhos, pois o Senhor estaria com eles “abrindo e aplanando o caminho”.

A figura aqui é de um embaixador reparando as estradas e removendo os obstáculos, preparando o caminho para a vinda do Rei.

A imagem o “caminho plano”, “caminho reto”, “estrada preparada”  é freqüente no livro de Isaías.

“Preparar o caminho”, este foi o ministério de João Batista com relação a Jesus Cristo – Mt 3.1-6. A mensagem de João foi de “arrependimento dos pecados”, exortando a volta para Deus.

Espiritualmente falando Israel estava no “deserto” quando Jesus veio… Mas quando Ele veio, o fez para trazer salvação, vida abundante, guiar por “pastos verdejantes”… Jesus, o bom Pastor, veio para dar “vida e vida completa”, Jo10.10.

O caminho da volta pode ser difícil…  Pois pode envolver humilhação, confissão, restituição, perdas de ganhos pecaminosos (exemplo de Zaqueu)…

Mas podemos contar com a providência divina, pois quando Deus está presente Sua glória será revelada – 40:5 (Moisés: “Mostra-me tua glória…).

Ele vai adiante “aplanando o caminho”, removendo os obstáculos.

Precisamos trilhar o caminho, enfrentar os desafios da vida, confiados na providência divina.

C. A voz da confrontação divina (vv. 6-8).

Deus nos confronta  com a nossa própria realidade: “… Toda a humanidade é como a relva, e toda a sua glória como as flores do campo… A relva murcha, as flores caem…” (Is 40:6,8).

A Assíria passou… Babilônia passaria e passou… Como a erva e as flores, nações e líderes passam…

Diz a Palavra de Deus: “Maldito o homem que confia nos homens, que faz da humanidade mortal a sua força, mas cujo coração se afasta do Senhor. Ele será como um arbusto no deserto; não verá quando vier algum bem. Habitará nos lugares áridos do deserto, numa terra salgada onde não vive ninguém. “Mas bendito é o homem cuja confiança está no Senhor, cuja confiança nele está…”, (Jr 17.5-8).

Deus nos confronta para que a visão realista sobre nós mesmo, possa  nos arremeter à Deus, com fé n’Ele, na Sua palavra e Suas promessas… As soluções para o pecado, culpa, angústias, crises existenciais etc., estão em Deus na Sua palavra, e não no ser humano… Quando você tiver que buscar ajuda num ser humano, busque alguém que tema a Deus, e que te ouça e oriente segundo os princípios e os valores do Reino de Deus.

Clínicas são procuradas, remédios são tomados etc., na busca de paz, libertação do pecado e suas consequências… Mas, questões existenciais, da alma, do pecado, da salvação eterna só encontram respostas em Deus,  Sl. 147.3,4 – “Só Deus cura…” .

No processo da restauração da comunhão com Deus; da restauração de vidas; da restauração dos relacionamentos etc., a palavra de Deus fortalece a fé e o coração, guia e sustenta, e é proveitosa para ensinar, repreender, corrigir, educar na justiça para que o homem de Deus seja perfeito, e apto para toda boa obra – Rm 15:4

D.  A voz que nos comissiona para anunciar as boas novas (vv. 9-11).

Pecados e fracassos do passado… Caminho da volta para  restauração… Confrontação sobre a realidade sobre nós mesmos…  E em meio a tudo isto há “boas novas” de esperança, de salvação e vitória, que devemos anunciar…

“Você, que traz boas novas a Sião, suba num alto monte. Você que traz boas novas a Jerusalém, erga a sua voz com fortes gritos, erga-a não tenha medo; diga às cidades de Judá: “Aqui está o seu Deus!”, Is 40.9.

“Como são belos nos montes os pés daqueles que anunciam boas novas, que proclamam a paz, que trazem boas notícias, que proclamam salvação, que dizem a Sião: “O seu Deus reina”, Is 52.7”.

As boas novas era a vitória que Deus daria ao Seu povo… A volta para casa… A paz…

As boas novas hoje são novas de paz, de vitória e salvação em Jesus Cristo…

Jesus Cristo disse: “O Espírito do Senhor está sobre mim, porque ele me ungiu para pregar boas novas aos pobres. Ele me enviou para proclamar liberdade aos presos e recuperação de vista aos cegos, para libertar os oprimidos e proclamar  o ano da graça do Senhor” (Lc 4.18,19 cf. Is. 61.1-3).

Proclamemos que Deus perdoa, provê os recursos espirituais para restauração, transformação de vidas e relacionamentos, e em amor confronta-nos e transmite-nos esperança…

“De novo olhei e vi toda opressão que ocorre debaixo do sol: vi as lágrimas dos oprimidos, mas não há quem os console…”, Ec 4:1.

Vivemos num mundo com muitos acusadores, assassinos da graça (como escreveu Swindoll)… Um mundo carente de consoladores.

O “braço do Senhor”  é um braço poderoso para vencer na batalha, mas também é um braço poderoso para acolher e guiar (40. 10,11). Nós que já experimentamos tal verdade, subamos aos montes, gritemos tal verdade, sem medo.  Proclamemos que Deus perdoa, provê os recursos espirituais, confronta e transmite esperança…

( 2a.Parte – 27/03/2011)

II. Deus é maior do que os nossos conflitos internos, 40.12-26.

(3a. Parte, e Conclusão – 10/04/2011)

III. Deus é maior que os nossos desafios futuros, 40.27-31.

Conclusão

Deus é maior que o nosso passado, que os nossos conflitos internos, e os medos e desafios do futuro.

“Com quem vocês compararão Deus? Como poderão representá-lo?” (Is 40.18, 25).

Se você se sente pequeno, saiba que é assim mesmo que devemos nos sentir diante de Deus – “cujos habitantes são pequenos como gafanhotos” (Is 40.22). Mas lembre-se que este Deus grande, que conhece cada estrela pelo seu nome (Is 40.26), Ele o conhece e se importa com você.

Jo 3.16 “Porque Deus tanto amou o mundo que deu o seu Filho Unigênito, para que todo o que nele crer não pereça, mas tenha a vida eterna”.

O mesmo Deus que  chama cada estrela pelo nome, é o Deus que sara os corações quebrantados – “Só ele cura os de coração quebrantado e cuida das suas feridas. Ele determina o número de estrelas e chama cada uma pelo nome. Grande é o nosso Soberano e tremendo é o seu poder…”,  Sl 147.3,4.

Que você possa afirmar como o salmista: “Estou quase desfalecido, aguardando a tua salvação, mas na tua palavra coloquei a minha esperança” (Sl 119.81); “Este é o meu consolo no meu sofrimento: A tua promessa dá-me vida” (Sl 119.50).

Deus é um Deus de consolo -  Is 40.1; 2 Co. 1.3,4.

Diante de um passado pecaminoso que nos condena,  para seguirmos em frente com esperança e triunfo, sem estarmos “presos” ao passado, nós precisamos ouvir “Quatro (4) vozes divinas”, cada uma delas com uma mensagem especial:

A. A voz do perdão divino(Is 40:1,2)

Se o passado nos condena, nós precisamos ouvir a voz do perdão divino, e não a voz da acusação do Diabo…

B. A voz da providência divina (Is 40:3-5)

Deus provê não só o perdão, mas também a purificação, a restauração das vidas quebradas, dos relacionamentos quebrados etc.

C. A voz da confrontação divina (Is 40:6-8).

Deus nos confronta para que a visão realista sobre nós mesmo e o ser humano em geral, possa  nos arremeter à Deus, com fé n’Ele, na Sua palavra e Suas promessas…

D.  A voz que nos comissiona para anunciar as boas novas (Is 40:9-11).

Nós que já experimentamos tal verdade, subamos aos montes, gritemos tal verdade, sem medo.  Proclamemos que Deus perdoa, provê os recursos espirituais, confronta e transmite esperança…

 

IsaíasNova Aliança