Embarcações

As vezes gosto de pensar na vida como se fosse uma viagem de barco por mares ainda desconhecidos. Um barco daqueles antigos eram movidos a remo e vela, ou seja, eles não possuíam nenhum tipo de propulsor que movimentassem eles, ou dependiam da força do remo de seus ocupantes ou dos ventos. Sem isso eles ficavam à deriva, sem direção e não conseguiam chegar a lugar algum.

Outra característica dessa época é que não existia GPS, e a orientação da navegação era por meio das cartas náuticas ou pelas estrelas. As duas técnicas exigiam conhecimento, habilidade e experiência.Isso tornava as viagens em perfeitas aventuras de sucesso ou insucesso, vitória ou derrota, vida ou morte.

Outros fatores eram, as marés, os ventos e a ondulação do mar, que nunca foram e nunca serão dominados pelo homem, por mais experiente que um marinheiro possa ser.

Isso parece ou não com as nossas vidas? Somos como embarcações navegando muitas vezes por um oceano de incertezas sem saber ao certo em que direção apontar as nossas velas para aproveitar os melhores ventos, e o pior de tudo, as vezes exaustos de remar sem sair do lugar.

Alguns já estão ao ponto de jogar os remos na água e usar as velas para se protegerem do sol escaldante e do frio da noite, enquanto a fome e a sede os enfraquecem e só esperam o fim chegar.

Quero lembrá-los de que: se o Mestre Jesus estiver no comando do seu barco, não há com o que se desesperar.

Seus discípulos em certa ocasião, entraram em desespero diante da grande tempestade, mas Jesus disse ao vento: “Aquiete-se! Acalme-se! O vento se aquietou e fez-se completa bonança. ” Marcos 4.39.

Por mais difícil que possa ser, confie no Senhor Jesus e Ele te conduzirá por águas tranquilas.

O marujo de Jesus.
Pr. Rodrigo Silva

Rodrigo Silva