Um lamento

Salmos 42.1-11
“Como a corça anseia pelas correntes de água, assim minha alma anseia por ti, ó Deus.Tenho sede de Deus, do Deus vivo; quando poderei estar na presença dele?
Dia e noite, as lágrimas têm sido meu alimento, enquanto zombam de mim o tempo todo, dizendo:
“Onde está o seu Deus?”.
Meu coração se enche de tristeza, pois me lembro de como eu andava com a multidão de adoradores, à frente do cortejo que subia até a casa de Deus, cantando de alegria e dando graças, em meio aos sons de uma grande festa.
Por que você está tão abatida, ó minha alma?
Por que está tão triste? Espere em Deus!
Ainda voltarei a louvá-lo, meu Salvador e meu Deus!
Agora estou profundamente abatido, mas me lembro de ti, desde o distante monte Hermom, onde nasce o Jordão, desde a terra do monte Mizar. Ouço o tumulto do mar revolto, enquanto suas ondas e correntezas passam sobre mim.
Durante o dia, porém, o SENHOR me derrama seu amor, e à noite entoo seus cânticos e faço orações ao Deus que me dá vida.
Clamo: “Ó Deus, minha rocha, por que te esqueceste de mim?Por que tenho de andar entristecido, oprimido por meus inimigos?”. Os insultos deles me quebram os ossos; zombam de mim o tempo todo, dizendo: “Onde está o seu Deus?”.

Por que você está tão abatida, ó minha alma?
Por que está tão triste?
Espere em Deus!
Ainda voltarei a louvá-lo, meu Salvador e meu Deus!”.

Hoje preferi deixar o salmista falar, pois creio que ele comunica melhor esse lamento.

É possível estar triste e abatido, mas é preciso esperar e confiar no Senhor.

Meu desejo, é que todos nós tenhamos a confiança do salmista.
Pr. Rodrigo Silva

 

Rodrigo Silva