Igreja – sacerdócio universal de todos os crentes.

          Em outubro foram lembradas as propostas de Martinho Lutero para que a Igreja de 500 anos atrás retornasse aos padrões bíblicos, o que ficou conhecido como Reforma Protestante.
          Entre outras coisas, Lutero rompeu com a divisão tradicional da igreja em duas classes, clero e laicato. Todo cristão é um sacerdote e isso deriva diretamente de Cristo: “Somos sacerdotes como ele é Sacerdote, filhos como ele é Filho, reis como ele é Rei”. Cada crente tem parte igual nesse sacerdócio. Isso significa que os ofícios sacerdotais são propriedade comum de todos os cristãos, e não apenas de uma casta seleta de homens santos. Lutero baseou sua afirmação de que todos os cristãos são sacerdotes no mesmo grau em dois textos do Novo Testamento: “Vós [...] sois [...] sacerdócio real” (1 Pe 2.9), e “nos constituiu reino, sacerdotes” (Ap 1.6).

          O sacerdócio de todos os cristãos é tanto uma responsabilidade quanto um privilégio, um serviço tanto quanto uma posição. Deus fez-nos um corpo, e nossa unidade e igualdade em Cristo é demonstrada por nosso amor mútuo e nosso cuidado uns pelos outros. “O fato de que somos todos sacerdotes e reis significa que cada um de nós, cristãos, pode ir perante Deus e interceder pelo outro”.

          Tudo isso implica que ninguém pode ser um cristão sozinho. Assim como não podemos nascer de nós mesmos, ou batizar a nós mesmos, da mesma forma não podemos servir a Deus sozinhos. A Igreja é uma comunidade de santos. Mas quem são os santos? Não são supercristãos que foram elevados à glória celeste, em cujos “méritos” podemos conseguir ajuda nos caminhos da vida. Todos os que creem em Cristo são santos.  Quando desejar fazer alguma coisa pelos santos volte sua atenção para o teu próximo, o nu, o faminto, o sedento, o pobre que tem esposa e filhos e sofre humilhações. Dirija sua ajuda a eles, comece seu trabalho aqui.

          Uma comunidade de intercessores, um sacerdócio de amigos que se ajudam, uma família em que as cargas são compartilhadas e suportadas mutuamente – essa é a Igreja, comunidade de santos.

 

Gerson Barros
(Transcrito de Teologia dos Reformadores – Timoty George).

devocionaisGérson Barros